11/08/2017

Parente vê melhora no resultado econômico-financeiro da Petrobras

Fonte: Valor Econômico

usina_termeletrica_petronoticiascombr

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que a companhia observa “melhora constante no resultado econômico-financeiro”.

Ele destacou que, no primeiro semestre, a empresa teve lucro líquido de R$ 4,8 bilhões, revertendo prejuízo observado nos primeiros seis meses do ano passado. E ressaltou o fluxo de caixa livre de R$ 9,4 bilhões no segundo trimestre, positivo por nove trimestres consecutivos.

Parente afirmou ainda que a companhia terá um resultado da nova política de preços de combustíveis provavelmente em setembro, mas que, na visão da empresa, a política está indo muito bem.

“A politica foi mudada a partir do inicio de julho. E as importações acontecem com prazo mínimo de 60 dias. A gente só vai ver os resultados da política talvez em setembro, mais provavelmente, quando ela completar os seus dois meses”, afirmou.

Segundo ele, a companhia está reagindo ao que está acontecendo no mercado da própria commodity. “O que é mais apropriado é o que estamos fazendo agora, e não o que foi feito antes”.

Metas

A diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes, disse que a meta de produção da companhia para 2017 está mantida, apesar das perspectivas de atrasos na entrada em operação das plataformas previstas para este ano.

A Petrobras tem como meta para este ano uma produção de 2,07 milhões de barris diário de petróleo, no Brasil.

Solange ainda destacou que a companhia tem a intenção de aderir à flexibilização da política de conteúdo local, proposta feita pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

“Acompanhamos com muita atenção a proposta da ANP. Temos a intenção de aderir [à proposta da ANP de retroagir os percentuais menores, válidos para as rodadas deste ano, para contratos existentes]”, disse a executiva.

Pela proposta da ANP, as petroleiras poderão optar por celebrar um aditivo contratual, sujeitando-se às novas regras de conteúdo local, com percentuais de nacionalização menores, mas sujeitas a multas, sem a possibilidade de waiver.

A outra opção será manter as condições dos atuais contratos, com a garantia de recorrer ao waiver para obtenção de eventual perdão, mas com percentuais mais altos que os válidos para as rodadas deste ano.

Durante a apresentação dos resultados do segundo trimestre a jornalistas, Solange disse que a taxa de utilização de refinarias no 1º semestre foi da ordem de 77%. O processamento das refinarias nacionais tem sido impactado pelo aumento das importações de derivados.

IPO da BR Distribuidora

Sobre o percentual da BR Distribuidora que será ofertado no processo de abertura de capital da empresa, Parente disse que ainda não há definição.

“Não temos ainda decisões tomadas em relação a variáveis em aberto, o volume que seria colocado no IPO”, disse Parente.

O diretor financeiro e de relações com investidores da estatal, Ivan Monteiro, disse que a meta de desinvestimentos da petroleira, de US$ 21 bilhões para o biênio 2017-2018, está mantida.

“Temos ao redor de US$ 40 bilhões de oportunidades de desinvestimentos [em análise]”, disse Monteiro.