05/10/2017

CMSE quer garantia de gás para térmicas mais competitivas

Fonte: Canal Energia

Recuperação dos reservatórios em novembro será inferior a 2014 no Sul, NE e Norte, e próximo daquele ano no SE/CO

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico vai solicitar à Petrobras providências para garantir o fornecimento de gás às usinas termelétricas Cuiabá, Araucária, Termo Fortaleza e Termo Norte 2, que têm preços competitivos, mas estão indisponíveis por falta do insumo. A previsão do CMSE é de que no final de novembro, quando os reservatórios começam normalmente a se recuperar devido ao aumento das chuvas, os armazenamentos equivalentes no Sul, Nordeste e Norte “atinjam valores inferiores aos verificados em 2014, ano mais crítico do histórico recente.” No Sudeste/Centro-Oeste, o nível de armazenamento deve ficar próximo ao verificado naquele ano.

As projeções pessimistas em relação ao cenário hidrológico na transição do período seco para o início do período chuvoso justificam a prioridade do comitê no retorno operacional dos quatro empreendimentos. A expectativa é de que será necessário o uso intensivo de térmicas para preservar os reservatórios das hidrelétricas, mas há uma preocupação em manter a operação das usinas por ordem de mérito de custo. Outra medida já adotada para evitar aumentos ainda maiores nos preços da energia é o aumento da importação dos países vizinhos. Uruguai e Argentina devem fornecer ao Brasil, nos próximos meses, 1.400 MW médios.

As autoridades insistem que não há risco de desabastecimento, mas admitem aumento do custo da energia. A avaliação em relação ao risco de déficit em 2017 para a regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste continua em 0%, segundo o CMSE, tanto pelo critério da média histórica, quanto pelas simulações de séries sintéticas de vazão.

Em nota divulgada após a reunião mensal desta quarta-feira, 4 de outubro, o Comitê de Monitoramento afirma que “a estação chuvosa ainda não está configurada.” As previsões indicam para os próximos dias probabilidade de chuvas abaixo da média na maior parte do Brasil, com exceção de localidades das regiões Sul e Norte.

Em setembro, a Energia Natural Afluente bruta atingiu 64% da Média de Longo Termo no Sudeste/Centro-Oeste, 23% no Sul, 29% no Nordeste e 57% no Norte; e a Energia Armazenada nos reservatórios atingiu 24,2% (SE/CO), 36,2% (S), 9,3% (NE) e 32,6% (N) das EAR máximas. Para o final de outubro são esperados 19,6% no Sudeste/Centro-Oeste, 35,7% no Sul, 5,4% no Nordeste e 22,4% no Norte.

A situação mais crítica em termos de armazenamento de água é a do Nordeste, onde o reservatório de Sobradinho deve atingir 0% do chamado volume útil e atingir o volume morto ao final do período seco. A vazão da UHE da Chesf será reduzida para 550 m³/s a partir de 9 de outubro, para preservar os níveis de agua e garantir a segurança do abastecimento para o ano que vem, especialmente para consumo humano.

A crise hidrológica dos últimos anos afetou, porém, outra usina importante da bacia do rio São Francisco, que é a de Três Marias, em Minas Gerais. O empreendimento deve atingir em novembro com 4,2% de água em seu reservatório.