24/10/2017

Matriz renovável de SP é destaque em evento internacional de bioeconomia

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

Governador Geraldo Alckmin enaltece 60% da matriz com recursos renováveis do Estado de São Paulo na abertura da Biofuture Summit 2017

O secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, participou nesta terça-feira, 24 de outubro, da abertura do encontro internacional Biofuture Summit 2017, realizado em São Paulo, com a participação de governos de 19 países. O governador Geraldo Alckmin participou do evento que tem como objetivo encontrar mecanismos para a criação de uma bioeconomia de grande escala, sustentável e de baixa emissão de carbono.

“Destaco a importância deste evento e da bioeconomia, além do grande exemplo de São Paulo e do Brasil no setor. Enquanto o mundo tem 14% da matriz de energia renovável, o país conta com 43%. São Paulo tem 60% da matriz com recursos renováveis. Ressalto o nosso exemplo na área de transporte, pois o Brasil produz 90% dos motores de carros leves a álcool e gasolina”, enalteceu o governador.

Além de Alckmin, também participou da abertura o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, líderes dos governos de outros países, além de representantes do setor privado e pesquisadores que debaterão as melhores formas de encarar o relevante desafio para o futuro do planeta.

Um dos casos de destaque no Biofuture Summit 2017 é o RenovaBio, programa que propõe uma política inovadora para os biocombustíveis de baixo carbono em elaboração pelo governo brasileiro.

“São Paulo é exemplo para o mundo na política de biocombustíveis. Grande parte da participação das renováveis em São Paulo vem dos biocombustíveis, principalmente da cana-de-açúcar, que gera etanol, biogás e energia elétrica. O etanol, além de ser usado como combustível é adicionado à gasolina em 27% funcionando como antidetonante, o que colabora ainda mais com a redução da emissão de CO2”, destaca Meirelles.

Serão também apresentados e debatidos, diretamente pelos responsáveis de cada país, programas e políticas similares implementados pelos EUA, Índia, Canadá, Reino Unido e Itália, entre outros.

A expectativa é de que as discussões da Cúpula de São Paulo contribuam para a elaboração da Declaração de Visão do Biofuturo, a ser apresentada para endosso durante a COP23, reunião internacional sobre mudança do clima que acontece em novembro, na Alemanha. A cúpula de São Paulo é o primeiro encontro da Plataforma para o Biofuturo, iniciativa internacional coordenada atualmente pelo governo brasileiro.