28/11/2017

Árabes buscam solução em Campinas

Fonte: Correio Popular de Campinas

Conhecido por ser um país com elevado poderio financeiro devido à grande quantidade de petróleo, os Emirados Árabes Unidos buscam uma maneira de reduzir sua dependência do líquido. E foi justamente em Campinas que os xeiques acreditam ter encontrado um indício de solução. Empresa de base tecnológica focada em inovação, a Hytron – Energias e Gases – foi procurada e apresentou seus projetos para o desenvolvimento de tecnologia voltada para o setor energético.

A visita aconteceu duas semanas atrás, por meio do cônsul geral dos Emirados Árabes, Ibrahim Salem Alalawi. Segundo o diretor comercial Daniel Lopes, as tratativas ainda estão no começo, mas foram diversos os motivos que fizeram a Hytron ser observada pelos estrangeiros. “Eles acreditaram em nós por conta do nosso pioneirismo, experiências, histórico da empresa e os diversos projetos já implementados na geração de energia renovável”, contou Lopes.

Se por um lado os Emirados estão interessados em depender menos do próprio petróleo, por outro a empresa campineira vê como vantagem uma parceria, por ficar em evidência.
Com a boa relação, foi possível demonstrar soluções tecnológicas e equipamentos inovadores, que são reconhecidos internacionalmente, referentes à economia do hidrogênio e geração renovável de energia.

Fundada em 2003, a Hytron surgiu como um spin-off (derivado) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e trabalha desde o começo com soluções inovadoras para os setores de energia e gases industriais, atendendo a diversas empresas nacionais e multinacionais.
O início da empresa se deu por meio de alunos de mestrado da Unicamp, que tinham o sonho de fazer virar realidade todas as suas pesquisas. A partir disso, começaram a desenvolver tecnologias como a energia solar fotovoltaica, a geração de energia a partir da biomassa e a geração de energia renovável.

Uma das primeiras empresas brasileiras a trabalharem com sistemas de produção e uso energético do hidrogênio, a Hytron possui alguns objetivos específicos, conforme explicou Lopes. “Os problemas que a gente busca resolver são de tecnologia, meio ambiente e que envolvam a sociedade.

Que a gente possa resolver problemas do lixo de forma geral. Um dos nosso desafios é fazer com que resíduos industriais e urbanos se transformem em combustíveis e energias, que tenham valor agregado. Sempre lembrando, é claro, que existe uma sociedade ao redor e um meio ambiente, que tem um custo e que precisa ser um preço competitivo”, comentou.

Ainda no mercado da energia, a empresa faz parte de um grupo com outras da região metropolitana, compondo a holding chamada RTB. Enquanto a Hytron ocupa o papel de desenvolvedora de tecnologia, as outras companhias exercem a comercialização, a implementação e a fabricação de componentes utilizados na geração de energia renovável.
Inovação

O diretor de automação e IoT, Diego Cambra, reforça a importância do hidrogênio, que é o elemento químico mais abundante no Universo. “O hidrogênio vem de vários lugares, então no futuro, o que é mais fácil? Ter um monte de coisa diferente ou aproveitar algo que é comum para todo mundo (hidrogênio)? É fácil enxergar o que é o futuro, porque isso é comum para todos. Essas tecnologias que a gente trabalha visam fazer hidrogênio, que é o gás, mas de várias fontes, então a gente faz pesquisa nessas várias fontes”, disse.