10/11/2017

Comitê do setor elétrico prevê chuvas abaixo da média

Fonte: Valor Econômico

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) se reuniu ontem para analisar as condições de suprimento de energia no território nacional. O comitê concluiu que o país ainda deve enfrentar problemas com escassez de chuvas. Em nota, o CMSE diz que permanecem as “anomalias negativas” de precipitação nas bacias com os maiores reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN).

De acordo com o comunicado do comitê, destacam-se nessa análise os casos de Grande, Paranaíba, Tocantins e São Francisco. Por outro lado, afirma comitê, foram observados totais mais significativos nas bacias dos rios Paranapanema, Tietê e nas bacias da região Sul.

Segundo o texto divulgado pelo CMSE, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que a tendência dos modelos meteorológicos para os próximos sete dias é de “anomalias positivas” – chuva acima da média – na região central do Brasil e negativas na região Sul.

Para a segunda semana, a indicação é de redução dos volumes pluviométricos na área central do Brasil, que poderão ficar abaixo da média histórica.

Para o horizonte entre 15 e 30 dias, as previsões disponíveis indicam a continuidade das precipitações na região central do Brasil “com volumes próximos ou levemente inferiores à média histórica”.

A respeito das condições de atendimento do SIN, foi destacado pelo ONS que, apesar da aparente melhoria das condições meteorológicas, as bacias dos rios Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins (que juntas totalizam cerca de 80% da capacidade de armazenamento do SIN) permanecem com Energias Naturais Afluentes (ENA) significativamente inferiores às médias.

Por outro lado, houve melhoria na ENA do subsistema Sudeste/ Centro-Oeste, que elevou a expectativa de armazenamento. “Assim, o CMSE decidiu não despachar geração termelétrica fora da ordem de mérito a partir da próxima semana operativa, que se inicia à zero hora do dia 11 de novembro de 2017”, afirma o texto.