05/03/2018

CPFL Energia registra aumento de 18,7% em irregularidades na rede elétrica durante 2017

Fonte: Canal Energia

Dados comparativos ao ano anterior acenam para maiores investimentos em inteligência e tecnologia por parte de empresas do grupo, que ampliaram em 29% o volume de inspeções em suas áreas de concessões

As distribuidoras da CPFL Energia divulgaram nesta sexta-feira, 2 de fevereiro, um balanço das fraudes furtos de energia realizados em sua rede elétrica durante 2017. As concessionárias CPFL Paulista, CPFL Piratininga, CPFL Santa Cruz e RGE promoveram ao todo 371.811 inspeções, 29% acima do total registrado em 2016. O resultado é o crescimento de 18,7% das irregularidades identificadas, que passaram de 70.938 em 2016 para 84.196 no ano passado. Segundo as estimativas, o volume de energia furtado na somatória de todas as distribuidoras, de 534.174 MWh, seria suficiente para abastecer 296.763 casas com cerca de quatro moradores pelo período de um ano.

A CPFL Paulista realizou 191.625 inspeções, um crescimento de 40,1% frente os dados de 2016. As irregularidades subiram 17,3% (de 35.881 para 42.072). Já o volume de energia furtado foi de 246.793 MWh, o suficiente para abastecer 137.107 casas com cerca de quatro moradores pelo período de um ano.

As equipes de inspeção da CPFL Piratininga registraram ao todo 95.143 incursões, uma elevação de 23% frente 2016. As irregularidades avaliadas subiram 17,2% (de 18.997 para 22.270). O volume de energia roubado na área de concessão, de 124.963 MWh, seria suficiente para abastecer 69.424 casas com cerca de quatro moradores pelo período de um ano.

Já os técnicos da CPFL Santa Cruz empreenderam 7.637 averiguações, um crescimento de 19,8% frente 2016. O número de irregularidades subiu 6,2% (de 1.507 para 1.601). Já o volume de energia furtado foi de 40.086 MWh, suficiente para abastecer 22.270 casas com cerca de quatro moradores pelo período de um ano.

Por fim, as equipes da RGE registraram 77.406 inspeções, um aumento de 14,4% frente 2016. O número de desvios subiu 25,4% (de 14.553 para 18.253). Já o volume de energia furtado na área de concessão, de 122.332 MWh, seria suficiente para abastecer 67.962 casas com cerca de quatro moradores pelo período de um ano.

No intuito de coibir o aumento dos desvios de energia, a CPFL Energia declarou que vem investindo constantemente em inteligência, tecnologia, monitoramento e análise em seus processos que colaboram com a maior assertividade do trabalho desenvolvido pela Diretoria Comercial do Grupo.

De acordo com o Diretor Comercial da CPFL Energia, Roberto Sartori, com o passar do ano, a companhia aumentou o número de inspeções nas cidades: “Estamos ampliando e investindo em inteligência no monitoramento e auxiliando a identificar, cada vez mais, as regularidades em nossas redes. As ligações clandestinas devem ser combatidas e estamos empenhados em solucionar esses problemas com o apoio dos órgãos públicos e autoridades policiais”, afirmou Sartori.