13/04/2018

Grupo Delta Energia cria gestora voltada ao setor

Fonte: Valor Econômico

O Grupo Delta Energia lançou ontem a Delta Energia Asset Management (Deam), gestora de recursos independente voltada para o setor de energia, e que já começará assumindo um fundo de R$ 1 bilhão captado no ano passado pela companhia em parceria com a Credit Suisse Hedging-Griffo (CSHG).

A presidência da gestora foi assumida por Luiz Fernando Vianna, que ocupava a presidência brasileira da usina binacional de Itaipu até o fim de março.

“Planejamos lançar outros fundos operados pela gestora. Nossa perspectiva é chegar a um total de R$ 5 bilhões em cinco anos”, disse Vianna ao Valor.

A Delta e a CSHG concluíram em setembro do ano passado a captação de R$ 1 bilhão pelo CSHG Delta Energia FIM Crédito Privado Longo Prazo, em apenas 42 dias. Fechado para aportes ou resgates por cinco anos, a expectativa de retorno para o investidor, na época do lançamento, era de 20% a 25% ao ano.

Segundo Vianna, cerca de 60% dos recursos já foram integralizados, e o objetivo é concluir 100% até o fim deste ano. “Esse é um desafio meu, integralizar o total o quanto antes. Mas, em paralelo, já temos conversas para formatar outros fundos que poderão ser lançados.”

Os recursos do primeiro fundo estão sendo utilizados para que a Beta Energia, nova comercializadora lançada pela Delta no ano passado, possa aproveitar oportunidades de compra e venda de energia no mercado livre ou fazer pré-pagamento de contratos.

Também não está definido se o CSHG continuará sendo o parceiro nos próximos fundos. “Logicamente, conversamos sempre com o Credit, que foi nosso parceiro no primeiro fundo. A princípio, não pensamos em outra entidade”, afirmou Vianna.

Segundo ele, a captação bem sucedida mostrou a credibilidade do Grupo Delta, e a confiança do na sua habilidade de lidar com eventuais mudanças no setor elétrico. “Estamos preparados, temos uma equipe com expertise que acompanha o movimento do mercado”, afirmou.

Vianna assumiu o comando de Itaipu no começo do ano passado. Antes disso, ele ocupou a presidência da estatal paranaense Copel desde 2014. Para o executivo, a rotina em Itaipu era mais “desacelerada”, e a dinâmica agitada da gestora foi o que o motivou a aceitar o convite do Grupo Delta. “Estou muito empolgado para encarar o desafio”, disse.