05/04/2018

USP e Secretaria de Energia e Mineração promovem 1° Concurso de Projetos de Destinação de Áreas Mineradas para Utilização Econômica e Social

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

Estimular no estado o aproveitamento de antigas áreas de mineração em novos negócios e turismo é o objetivo do concurso

A Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo em parceria com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo lançaram nesta quinta-feira, 5 de abril, o 1° Concurso de Projetos de Destinação de Áreas Mineradas para Utilização Econômica e Social.

O concurso tem como objetivo difundir no meio universitário do Estado e na população em geral o conceito de que a mineração após cumprir sua missão de abastecer as cadeias produtivas com insumos minerais, podem ter novas aplicações de alto interesse social, econômico e turístico em áreas exauridas.

Para o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, existem exemplos de áreas mineradas na capital paulista que podem servir de exemplo para outras cidades do Estado.

“A raia olímpica da USP, onde diversos atletas treinam esportes aquáticos, e o parque do Ibirapuera são dois exemplos concretos de antigas áreas de mineração de areia que tiveram uma redestinação e atualmente servem de lazer para a população”, disse Meirelles.

Podem participar do concurso estudantes regularmente matriculados e cursando universidades em todo o estado de São Paulo. Os trabalhos podem ser realizados em equipes de até cinco pessoas.

“A escola politécnica está muito feliz em realizar essa parceria. Desejamos  desenvolver políticas públicas de médio e longo prazo com projetos de estado para a sociedade”, afirmou a diretora da Poli-USP, Liedi Bernicci. 

A competição abrangerá duas modalidades, Mineração em Cavas e Mineração em Meia Encosta. Os projetos deverão ser realizados com base em áreas mineradas exclusivamente no Estado de São Paulo.

“Trouxemos a ideia da Subsecretaria de Mineração para dentro da Poli e estruturamos o projeto que deve dar uma importante contribuição para o setor de mineração e de meio ambiente”, explicou o professor e chefe do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Poli/USP, Giorgio de Tomi.

Os três melhores projetos de cada modalidade serão premiados com troféus e certificados entregues em solenidade, que será realizada no dia 10 de setembro.

“Sou entusiasta dessas iniciativas com as universidades. Esse concurso encontra um eco enorme especialmente com quem trabalha na área de meio ambiente”, ressaltou o secretário-adjunto do Meio Ambiente, Eduardo Trani. 

As inscrições dos projetos serão abertas a partir do dia 30 de abril e terminam em 30 de junho. Os estudantes interessados podem conferir o edital no site da USP na área do Departamento de Engenharia de Minas e Petróleo e Núcleo de Pesquisa para a Mineração Responsável no endereço eletrônico: www.usp.br/nap.mineracao/concurso-destinacao-areas-mineradas

“Tragam projetos de todas as universidades e cidades que vamos analisar. Parabenizamos a USP por realizar esse projeto que transcende a instituição, o que mostra o compromisso da instituição com o desenvolvimento do estado”, disse o subsecretário de Mineração, José Jaime Sznelwar. 

A Comissão Julgadora será constituída por até 20 membros incluindo professores universitários, representantes do setor produtivo, órgãos estaduais e profissionais de notório saber. Para acessar o edital do concurso clique aqui.

Farão parte da  comissão julgadora membros do Ministério de Minas e Energia, Agência Nacional de Mineração,  Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo,  Comitê da Cadeia Produtiva da Mineração, Instituto Brasileiro de Mineração, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, Geoconsultoria Ltda., Secretaria de Energia e Mineração, Secretaria do Meio Ambiente,  Núcleo de Pesquisa para a Mineração Responsável da Universidade de São Paulo, Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para Construção Civil, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade Estadual de Campinas, Superintendência de Gestão Ambiental da Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Ordem dos Advogados do Brasil – São Paulo, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo, Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo e Associação Paulista de Engenheiros de Minas.