15/05/2018

CSN sai do aço nos EUA por US$ 400 mi

Fonte: Valor Econômico

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) vendeu ontem o segundo ativo de seu programa de desinvestimentos lançado há quase três anos, com o objetivo de reduzir a dívida. A empresa está se desfazendo da LLC, como é conhecida a laminadora de aço que mantém em Indiana, nos EUA, para a Steel Dynamics, por US$ 400 milhões. Segundo a brasileira, o resultado final da transação deve reduzir seu endividamento líquido em aproximadamente R$ 1,8 bilhão.

Segundo o comunicado, anunciado primeiro pela compradora ao mercado americano, a transação envolve US$ 340 milhões a serem pagos em dinheiro, mais US$ 60 milhões em capital de giro ajustado para a operação. O valor do capital de giro está sujeito a ajustes de preço, a depender do mercado, de acordo com a nota publicada pela Steel Dynamics.

A usina de Heartland, hoje conhecida como CSN LLC, tem capacidade anual de processar 1 milhão de toneladas de laminados a frio por ano, dais quais 360 mil toneladas são galvanizadas – aço com banho a zinco. Os produtos são usados principalmente para suprir a necessidade do setor automotivo americano.

Como não há um laminador de tiras a quente no local, primeiro passo antes da laminação a frio, a siderúrgica costumava enviar bobinas a quente direto da usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ) para a subsidiária nos EUA. O processo, contudo, ficou mais difícil após o governo americano impor tarifa de 25% à importação de aço, que atingiu o insumo.

A CSN já havia informado que, na ausência de comprador, iria investir cerca de US$ 80 milhões para dobrar a galvanização, por conta das boas perspectivas do mercado de aço nos EUA. A Steel Dynamics tem uma unidade próxima à LLC e já tinha fornecido bobinas a quente para a companhia no passado.

Desde 2015, a CSN tenta vender ativos para abater o endividamento, em movimento iniciado após tanto a área de siderurgia – pela crise econômica no país – quanto a de mineração – depois da derrocada dos preços internacionais do minério de ferro – passarem por dificuldades financeiras.

O valor ficou abaixo das expectativas de Steinbruch, que esperava levantar algo acima de US$ 500 milhões. Outro ativo vendido nesse programa de desinvestimentos foi a fabricante de latas de aço Metalic, por US$ 100 milhões. A empresa também se desfez de ações em tesouraria, por pouco mais de R$ 250 milhões. No total, são cerca de R$ 2 bilhões. Em quatro anos, a Gerdau levantou aproximadamente R$ 6,3 bilhões.

A CSN divulgou ontem lucro líquido de R$ 1,48 bilhão no primeiro trimestre, mais de 12 vezes o ganho no mesmo período de 2017. A receita líquida ficou em R$ 5,06 bilhões, alta de 15% na comparação anual. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado no primeiro trimestre de 2018 atingiu R$ 1,24 bilhão, queda de 7% sobre o primeiro trimestre de 2017. A dívida líquida ajustada ao fim de março estava em R$ 26,5 bilhões, alta de 1% sobre o montante no fim de dezembro.