04/06/2018

Clube de Futebol de São Paulo planeja a implantação de uma usina de energia solar em seu estádio

Fonte: Portal Solar

O estádio do Morumbi deve ganhar ainda este ano um novo projeto do São Paulo, que conta com um plano de modernização do estádio que inclui projetos como: novos refletores, o avanço do anel inferior até a implantação de uma usina de energia solar que poderá abastecer, inclusive, as residências de sócios torcedores.

O São Paulo pretende iniciar as mudanças na infraestrutura do estádio do Morumbi entre os meses de junho e julho. O clube está negociando com empresas parcerias para reduzir os custos das reformas. Se obterem êxito, a expectativa é que algumas melhorias sejam concluídas ainda nesta temporada.

A diretoria tricolor está trabalhando para viabilizar outras duas significativas novidades: telões no estádio e a instalação de placas solares para captação de energia solar em cima das fileiras mais externas das arquibancadas do estádio, que passariam a ser cobertas. A ideia está em negociação avançada com uma empresa de tecnologia alemã, a intenção do São Paulo é ter sua própria usina de energia solar e instalar ao redor de todo o estádio coberturas com placas de sete metros de largura para captar a energia que será utilizada no próprio estádio e também poderá ser vendida.

O projeto da usina solar é um dos mais inovadores preparados pelo clube. O setor com placas solares deve atingir entre quatro e cinco lances da arquibancada. Com isso, a diretoria estima que o clube consiga produzir o que gasta atualmente de energia, repassando o excedente a custo menor do que o cobrado pela AES Eletropaulo.

Clube de Futebol de São Paulo planeja a implantação de uma usina de energia solar em seu estádio

A energia solar fotovoltaica é cada vez mais utilizada no país e no mundo, para diversas finalidades. O uso se dá principalmente pela sustentabilidade e economia que proporciona. No ramo do futebol, em 2014, a Copa do Mundo de Futebol da Fifa, foi a maior impulsionadora no uso de energia solar em estádios no Brasil. A energia solar cumpre todas às exigências de sustentabilidade da Fifa e também foi incluída pelo seu alto potencial de economizar recursos na operação das novas arenas, reformadas ou construídas para o grande evento.

Podemos citar como exemplo, o Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Inaugurado em 2013, como parte dos estádios para a Copa de 2014, o estádio conta com um sistema de captação de energia solar de 2,5 MWp instalado em sua cobertura. Os painéis fotovoltaicos ocupam cerca de 15 mil m² – 75% da área de concreto da cobertura. A energia elétrica gerada é suficiente para alimentar cerca de 60 mil residências.