05/06/2018

Enel compra Eletropaulo e vira a maior distribuidora do país

Fonte: O Globo

Por R$ 5,55 bilhões, companhia italiana adquire 73,4% da empresa brasileira

A Enel é a nova controladora da Eletropaulo. Após Oferta Pública de Ações (OPA) realizada ontem na B3, antiga Bovespa, a companhia italiana comprou 73,4% do capital da empresa (ou 122,7 milhões de ações) por R$ 45,22 cada papel, o que representa um desembolso de R$ 5,55 bilhões no negócio.

Com a compra, a Enel adiciona 7 milhões de clientes à sua atual base de 10 milhões e se consolida como a maior distribuidora de energia do Brasil, ultrapassando a CPFL, que distribui energia no interior de São Paulo e é controlada pelos chineses da State Grid.

Na avaliação de Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset, o resultado do leilão “foi um sucesso”, mesmo sem ter atingido 100% das ações.

— O que faltou vender foram ações que estão em espólio, sob ação judicial ou qualquer coisa deste tipo. Todos os grandes acionistas venderam suas participações — avaliou Spyer.

Desde o início deste ano, quando os americanos da AES reduziram sua participação na Eletropaulo, o BNDES passou a ser o principal acionista da distribuidora. Com uma fatia de 18,7%, o banco vai embolsar R$ 1,5 bilhão com a venda de sua participação. A União, por sua vez, que detinha quase 8% do capital da companhia, receberá R$ 603 milhões. A AES, que manteve 16,8% de participação na empresa, sairá com R$ 1,27 bilhão.

OUTRA OFERTA FOI 12,6% MENOR Na última quarta-feira, a Enel foi declarada vencedora de uma longa disputa travada com a Neoenergia, controlada pelos espanhóis da Iberdrola, para a compra da maior distribuidora de energia do Brasil. Em sua última oferta, feita também na quarta-feira, a Neoenergia se propôs a pagar R$ 39,53 por ação da Eletropaulo, 12,6% menos que o valor oferecido pela rival. Na ocasião, pelas regras da CVM, a Enel foi declarada vencedora da disputa e apta a fazer a OPA.

— A Enel é um dos líderes mundiais em distribuição, com 65 milhões de clientes. Em infraestrutura, a escala é fator importante, o que nos possibilitou chegar a essa oferta — afirmou o presidente da Enel no Brasil, Carlo Zozroli, em nota.

Além de comprar o controle da empresa, a Enel se comprometeu a realizar investimentos de R$ 1,5 bilhão na rede da distribuidora paulista, a maior da América Latina.

Nivalde de Castro, professor da UFRJ especialista em energia elétrica, disse que deve haver uma melhoria na qualidade do serviço por causa dos investimentos. Por outro lado, afirmou, haverá aumento de tarifa:

— A qualidade do serviço tende a melhorar porque toda a gestão passada da Eletropaulo, que era feita pela americana AES, era focada no desempenho financeiro e não operacional. Então, há um atraso de investimento muito grande.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aponta que a Eletropaulo está entre as piores colocadas no ranking nos indicadores de qualidade que medem o tempo que os clientes ficam sem serviço e também a quantidade de interrupções no fornecimento de luz.

— Isso tende a melhorar gradativamente. Mas a tarifa também subirá de forma gradativa — completou Castro.

O especialista disse ainda que a entrada forte de estrangeiros neste segmento é um movimento “irreversível” e se deve, sobretudo, ao acesso a capital mais barato por parte dos estrangeiros na comparação com brasileiros.