13/11/2018

Justiça de São Paulo realiza gestão de faturas de energia

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

O objetivo é reduzir custos com eletricidade nos prédios do Judiciário paulista.

Foto: Ricardo Lou

O secretário estadual de Energia e Mineração, João Carlos de Souza Meirelles, e equipe da secretaria, apresentaram nesta segunda-feira, 12 de novembro, os resultados da cooperação técnica para a gestão de contratos de fornecimento de energia elétrica de alta e média tensão.

A Secretaria de Energia e Mineração, desde maio passado, vem fazendo uma análise das demandas de energia elétrica dos edifícios da Corte, por meio do Sistema Gesfat – Gestão e Análise de Faturas e Contratos de Energia Elétrica, que consistiu na eliminação de penalidades e otimização dos contratos de fornecimento com as distribuidoras.

O secretário João Carlos Meirelles considera que “A gestão adequada dos recursos públicos é fundamental e nossa obrigação em qualquer área da administração. Estes controles de contratos de fornecimento de energia do Judiciário paulista, feitos nessa parceria, certamente que trarão bons frutos e será modelo para outras instâncias do governo”, afirmou.

A revisão dos contratos de fornecimento de energia elétrica foi feita através da gestão de faturas e contratos de fornecimento de energia elétrica que objetivaram reduzir despesas com energia elétrica. Foram realizadas 123 análises nas unidades consumidoras. Destas, 100 contratos estavam ajustados e 23 alterações foram propostas. Com essas alterações estima-se uma economia de aproximadamente R$ 200 mil por ano e redução de aproximadamente 24% da demanda contratada.

Outra ação executada foi a análise das 123 unidades com relação à correção do fator de potência. Destas, 12 unidades estavam com o Fator de Potência abaixo de 0,92, o que implica no pagamento de multas às concessionarias.  Estima-se uma economia anual de R$ 250 mil, com investimentos em material e equipamentos em torno de R$ 68 mil.

Gesfat

Em operação há seis anos, o Gesfat já economizou para os cofres públicos mais de R$ 114 milhões. Atualmente, a Secretaria de Energia e Mineração realiza o monitoramento e a gestão de 1.648 unidades de alta e média tensão do governo estadual. Nesse período, mais de 700 contratos sofreram adequações de demanda.

O custo com energia elétrica de todas as unidades do Governo do Estado de São Paulo, em 2017, foi de cerca de R$ 500 milhões. Já a economia acumulada dos contratos via Gesfat em 2017 foi de aproximadamente R$ 20 milhões, o que representa uma redução de 4%.

O Estado de São Paulo é responsável por mais de 30% do consumo de energia elétrica do país. A soma de Iluminação Pública, Poder Público e Serviços Públicos consome 11.270 gigawatts-hora (GWh), aproximadamente 8,9% do consumo de energia elétrica do Estado.