29/11/2018

Petrobras pretende investir US$ 85 bilhões nos próximos 5 anos

Fonte: O Globo

Estatal vende campos maduros por US$ 823 milhões, mas não deve atingir meta de arrecadar US$ 7,5 bi com alienações

O Plano de Negócios da Petrobras para os próximos cinco anos foi apresentado ontem ao Conselho de companhia. A estatal planeja investi Rus $85 bilhões, o equivalente a r$ 326,4 bilhões, no período. Caso a proposta seja aprovada, será o maior volume de recursos aportados pela petroleira desde o plano apresentado para os anos de 2015 a 2019, que previa US$ 98,5 bilhões.

O foco dos investimentos da estatal continua a sera exploração e produção de petróleo, principalmente no pré-sal, que tem campos de alta produtividade. A nova projeção da companhia representa uma aceleração em relação ao plano vigente para o período 2018-2022, que previa investimentos de US $74,5 bilhões. Desde 2015, após a revelação do esquema de corrupção da Lava-Jato, a Petrobras vinha reduzindo investimentos.

REFORÇO NO CAIXA

Segundo fontes, o futuro presidente da estatal, o economista Roberto Castello Branco, gostaria que o plano não fosse aprovado ainda, de modo a poder avaliar com mais profundidade as metas da companhia que serão executadas durante a sua gestão. A proposta, porém, já passou pelo comitê estratégico da empresa e precisa ser aprovada até o fim do ano, de acordo com normas da companhia.

Coma metam ais ambiciosa de investimentos, aumenta a necessidade de a Petrobras se desfazer de ativos para reduzir o endividamento e melhorar sua saúde financeira. Ontem, a estatal anunciou que vai arrecada rum total de US $823,1 milhões coma venda de suas participações em 34 campos terrestres no Nordeste e de três antigos campos marítimos no pós-sal da Bacia de Campos, na costa fluminense.

As duas operações fazem parte do plano de venda de ativos, que já havia rendido US$ 5 bilhões, como informou o presidente da estatal, Ivan Monteiro, no início do mês.

Os dois negócios anunciados ontem ajudarão a reforçar o caixa da empresa, mas contribuirão pouco para o cumprimento da meta de US$ 7,5 bilhões em vendas até o fim do ano. Do valor total, apenas US$ 108 milhões serão recebidos na assinatura dos contratos. Isso equivale a 7,5% da primeira transação de campos terrestres e 20% da dos campos marítimos. O restante será quitado no fechamento das operações, com ajustes.

A venda de ativos para reduzir o endividamento e focar no pré-sal será uma das tarefas que Monteiro deixará para Castello Branco, que vai sucedê-lo em janeiro. A previsão inicial do plano era ainda mais ambiciosa: vender US$ 21 bilhões em ativos entre 2017 e 2018. A meta foi revisada para US$ 7,5 bilhões com as dificuldades da empresa de se desfazer de alguns negócios.

Medidas judiciais impediram a venda de fatia sem a TAG, rede de gasodutos no Nordeste, estimada em cerca de US$ 8 bilhões. A venda da Liquigás, distribuidora de GLP (gás de botijão), para o Grupo Ultra foi suspensa pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

As participações em 34 campos maduros de produção terrestres localizados na Bacia Potiguar( RN ), foram vendidas por US $453,1 milhões para abrasileira 3 R Petrole um.

No outro negócio, a Petrobras vende upara a anglo-francesa Per encosu as participações nos campos de Pargo, Carapeba e Vermelho, ocha ma doPo lo Nordeste, em águas rasas na Bacia de Campos. A Petrobras receberá por eles, no total, US$ 370 milhões. Os três campos antigos marcaram o inícioda produção da estatal na área, há 40 anos. A produção dele sé integrada, de cerca de 9 mil barris diários.